Marés

grafico_sol_terra_lua[1].png

A maré tem como causa a atracção gravitacional do Sol e da Lua. A influência da Lua é bastante superior, pois embora a sua massa seja muito menor que a do Sol, esse facto é compensado pela menor distância à Terra. Matematicamente a maré é uma soma de sinusóides (ondas constituintes) cuja periodicidade é conhecida e depende exclusivamente de factores astronómicos.
Miguel Machado 7ºB Nº17

Marés

À medida que terra gira , outras regiões passam a sofrer elevações, como se o nível da água se deslocasse seguindo a Lua.
As mares são o movimento periódico de elevação e declínio das águas do mar devido às forças de atracção gravitacional da Lua e do Sol. A superfície da Terra é constituída de uma parte sólida que chamamos crosta terrestre e de uma parte líquida (rios, mares, etc.). A região do nosso planeta que está mais próxima da Lua e do Sol sofre uma força maior, com isso a água é "puxada" mais fortemente que a da crosta, formando uma protuberância de água nessa região.


A atracção gravitacional do Sol provoca um efeito semelhante nas águas do mar, se sobrepondo ao efeito produzido pela Lua. Por isso, quando o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados, são observadas marés mais elevadas, pois nessa situação os efeitos se somam.


À medida que a Terra gira em torno de seu eixo, as marés alta e baixa se sucedem numa dada região.

A amplitude das mares, isto é, a diferença de nível entre a preamar e a baixa-mar, varia muito de um lugar para outro. Uma das maiores marés do mundo é a que ocorre na baía do Monte Saint-Michel, na França, podendo chegar a 14 metros. No Brasil, as maiores marés acontecem no litoral do Maranhão.
O fenómeno das marés ocorre em todas as superfícies de água da Terra, e não apenas nos oceanos. Embora menos evidente, as marés existem em rios e lagos.





O entendimento das marés permitiu compreender a razão pela qual a Lua volta sempre a mesma face para a Terra. Outrora o nosso satélite encontrava-se provavelmente no estado líquido. A rotação desta esfera líquida em torno da Terra era acompanhada por um muito forte atrito de marés que tinha por efeito reduzir gradualmente a velocidade da rotação da Lua. Finalmente, cessou essa rotação em relação à Terra, as mares desapareceram e a Lua escondeu-nos metade da sua superfície.




LUA NOVA


Quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham, a atracção gravitacional exercida pelos dois astros sobre os oceanos se soma, gerando correntes marítimas que causam uma elevação máxima do nível do mar na direcção dessa linha. É época das maiores marés altas, chamadas de marés de sizígia ou máximas
LUA MINGUANTE
Nessa fase lunar, diminui a influência do Sol e da Lua nas marés oceânicas. Na noite em que metade da Lua está visível, a atracção atinge seu menor valor. Em Santos, no litoral paulista, por exemplo, a diferença entre a maré alta e a baixa não ultrapassa os 5 centímetros
LUA CHEIA
Cerca de duas semanas depois da Lua Nova, nosso satélite viaja de novo para uma posição em que se alinha com o Sol e a Terra. Essa combinação traz uma nova leva de marés máximas. Nas praias de Santos, o nível do mar pode subir em torno de 1 metro nesse período
LUA CRESCENTE



Agora, a Lua e o Sol formam um ângulo recto de 90º. Nessa situação, a gravitação lunar se opõe à solar - elas só não se anulam porque a Lua, mais perto da Terra, exerce maior poder de atracção. Mesmo assim, as diferenças de nível entre as marés alta e baixa são muito menores e recebem o nome de marés de quadratura ou mínimasexternal image fases-da-lua-3.jpg


Feito por : Jéssica Pinto


 Influência da Lua nas maré

Na verdade, a Lua não produz este efeito sozinha. Os movimentos de subida e descida do nível do mar - as chamadas marés - também sofrem a influência do Sol, dependendo da intensidade da força de atração dele e da Lua sobre o nosso planeta. Assim como a Terra atrai a Lua, fazendo-a girar em seu redor, a Lua também atrai a Terra. O puxão gravitacional do nosso satélite tem pouco efeito sobre os continentes, que são sólidos, mas afeta consideravelmente a superfície dos oceanos devido à fluidez. A cada dia, a influência lunar provoca correntes marítimas que geram duas marés altas (quando o oceano está de frente para a Lua e em oposição a ela) e duas baixas (nos intervalos entre as altas). O Sol, mesmo estando 390 vezes mais distante da Terra que a Lua, também influi no comportamento das marés.

external image eclipsesolar.jpg

Dependendo da posição dos dois astros em relação ao nosso planeta, as marés têm comportamentos diferentes. É aí que entram as fases lunares. Quando a Terra, a Lua e o Sol estão alinhados - ou, como dizem os astrônomos, em oposição ou conjunção -, a atração gravitacional dos dois últimos se soma, ampliando o seu efeito na massa marítima. Por outro lado, quando as forças de atração da Lua e do Sol se opõem, quase não há diferença entre maré alta e baixa. Mas esse jogo de forças não é igual em todo o lado, porque o contorno da costa e as dimensões do fundo do mar também alteram a dimensão das marés. Em algumas regiões abertas, a água espalha-se por uma grande área e sobe alguns centímetros nas marés máximas.


LUA NOVA-Quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham, a atração gravitacional exercida pelos dois astros sobre os oceanos se soma, gerando correntes marítimas que causam uma elevação máxima do nível do mar na direcção dessa linha. É a época das maiores marés altas.

LUA MINGUANTE-Nesta fase lunar, diminui-se a influência do Sol e da Lua nas marés oceânicas. Na noite em que metade da Lua está visível, a atração atinge seu menor valor.

LUA CHEIA-Cerca de duas semanas depois da Lua Nova, nosso satélite viaja de novo para uma posição em que se alinha com o Sol e a Terra. Essa combinação traz uma nova leva de marés máximas.

LUA CRESCENTE- Agora, a Lua e o Sol formam um ângulo recto de 90º. Nesta situação, a gravitação lunar opõe-se à solar - elas só não se anulam porque a Lua, mais perto da Terra, exerce maior poder de atração. Mesmo assim, as diferenças do nível entre as marés alta e baixa são muito menores.

Realizado por: Isabel Almeida




Marés



As marés na Terra constituem um fenômeno resultante da atração gravitacional exercida pela Lua sobre a Terra e, em menor escala, da atracção gravitacional exercida pelo Sol sobre a Terra.

A idéia básica da maré provocada pela Lua, por exemplo, é que a atração gravitacional sentida por cada ponto da Terra devido à Lua depende da distância do ponto à Lua. Portanto a atração gravitacional sentida no lado da Terra que está mais próximo da Lua é maior do que a sentida no centro da Terra, e a a atração gravitacional sentida no lado da Terra que está mais distante da Lua é menor do que a sentida no centro da Terra.

Em relação ao centro da Terra, um lado está sendo puxado na direção da Lua e o outro lado está sendo puxado na direção contrária. A maré do lado oposto não é causada pela rotação da Terra. Como a água flui muito facilmente, ela se "empilha" nos dois lados da Terra, que fica com um bojo de água na direção da Lua e outro na direção contrária.

=
Mare
Mare

=

Figura fora de escala da Terra e da Lua

Enquanto a Terra gira no seu movimento diário, o bojo de água continua sempre apontando aproximadamente na direção da Lua. Em um certo momento, um certo ponto da Terra estará embaixo da Lua e terá maré alta. Aproximadamente seis horas mais tarde (6h 12m), a rotação da Terra terá levado esse ponto a 90° da Lua, e ele terá maré baixa. Dali a mais seis horas e doze minutos, o mesmo ponto estará a 180° da Lua, e terá maré alta novamente. Portanto as marés acontecem duas vezes a cada 24h 48, que é a duração do dia lunar.

Se a Terra fosse totalmente coberta de água, a máxima altura da maré seria 1m. Como a Terra não é completamente coberta de água, vários aspectos resultantes da distribuição das massas continentais contribuem para que a altura e a hora da maré variem de lugar a outro. Em algumas baías e estuários as marés chegam a atingir 10 m de altura.






As marés acontecem por causa da gravidade entre a Lua e a Terra e por vezes também entre o Sol.


A ideia básica da maré provocada pela Lua, por exemplo, é que a atração gravitacional sentida por cada ponto da Terra devido à Lua depende da distância do ponto à Lua. Portanto a atração gravitacional sentida no lado da Terra que está mais próximo da Lua é maior do que a sentida no centro da Terra, e a a atração gravitacional sentida no lado da Terra que está mais distante da Lua é menor do que a sentida no centro da Terra.

Em relação ao centro da Terra, um lado está sendo puxado na direção da Lua e o outro lado está sendo puxado na direção contrária. A maré do lado oposto não é causada pela rotação da Terra. Como a água flui muito facilmente, ela se "empilha" nos dois lados da Terra, que fica com um bojo de água na direção da Lua e outro na direcção contrária.


Diogo Azevedo nº3





MARÉS


A maré tem como causa a atracção gravitacional do Sol e da Lua. A influência da Lua é bastante superior, pois embora a sua massa seja muito menor que a do Sol, esse facto é compensado pela menor distância à Terra. Matematicamente a maré é uma soma de sinusóides (ondas constituintes) cuja periodicidade é conhecida e depende exclusivamente de factores astronómicos.

grafico_sol_terra_lua.png

Distância do Sol à Terra
Distância da Lua à Terra
149 758 000 km
384 853 km

De um modo geral, podemos dizer que a maré sobe quando das passagens meridianas superior e inferior da Lua. Isto é, temos preia-mar (maré cheia) quando a Lua passa por cima de nós e quando a Lua passa por baixo de nós, ou seja, por cima dos nossos antípodas.

exclusivamente de factores astronómicos.

Ocorrência das marés

Num campo gravitacional terrestre ideal, sem interferências, as águas à superfície da Terra sofreriam uma aceleração idêntica na direção do centro de massa terrestre, encontrando-se assim numa situação isopotencial. Mas devido à existência de corpos com campos gravitacionais significativos a interferirem com o da Terra (Lua e Sol), estes provocam acelerações que actuam na massa terrestre com intensidades diferentes. Como os campos gravitacionais actuam com uma intensidade inversamente proporcional ao quadrado da distância, as acelerações sentidas nos diversos pontos da Terra não são as mesmas.

Marés Vivas

Quem está na praia observa diariamente a subida e descida das águas. As marés repetem-se com regularidade, mas chegam todos os dias uns 48 minutos mais tarde do que no dia anterior. O que provoca a subida e descida das águas e faz com que haja marés vivas e marés mortas?

Tal como o nosso satélite demora cerca de 24 horas e 48 minutos entre duas passagens consecutivas pelo meridiano do lugar, assim o ciclo das marés se repete com um período de 24 horas e 48 minutos. Já nos séculos XV e XVI, quando o conhecimento das marés atlânticas e do Índico se tornavam essenciais à navegação, o interesse pelo seu estudo redobrou. Nos oceanos, a oscilação periódica dos níveis do mar ultrapassa facilmente os três e quatro metros, muito mais do que o meio metro que, quanto muito, se regista em alguns pontos do Mediterrâneo. Para a navegação costeira e para as entradas em enseadas e portos, os navegadores precisavam de saber calcular as alturas das águas. Os portugueses e outros exploradores aplicaram e desenvolveram algumas regras práticas, com as quais estimavam os momentos de maré alta e baixa em qualquer ponto do mundo..

A força da Lua é preponderante, dada a sua maior proximidade, mas o Sol também influencia o movimento das águas. Quando os dois astros se encontram alinhados, o que corresponde às fases de Lua Nova ou de Lua Cheia, as forças de maré são maiores: são as ditas "marés vivas". Quando se encontram em quadratura, com a Lua em Quarto Crescente ou Decrescente, as marés são mais fracas e são, por vezes, chamadas "marés mortas". Na terça-feira da semana que entra, a Lua alcançará a fase de Nova. Começam as marés vivas. Ao contrário do que por vezes se diz, elas não esperam por Setembro. Na realidade, surgem aproximadamente de duas em duas semanas, sempre que a Lua e o Sol estão alinhados. Daqui a 15 dias, por altura de Lua Cheia, teremos de novo marés vivas.

Image74.gif



  • Realizado por:Miguel Rocha nº18

As Mares

Num campo gravitacional terrestre ideal, ou seja, sem interferências, as águas à superfície da Terra sofreriam uma aceleração idêntica na direção do centro de massa terrestre, encontrando-se assim numa situação isopotencial (situação A na imagem). Mas devido à existência de corpos com external image mares.jpgcampos gravitacionais significativos a interferirem com o da Terra (Lua e Sol), estes provocam acelerações que actuam na massa terrestre com intensidades diferentes. Como os campos gravitacionais actuam com uma intensidade inversamente proporcional ao quadrado da distância, as acelerações sentidas nos diversos pontos da Terra não são as mesmas. Assim (situação B e C na imagem) a aceleração provocada pela Lua têm intensidades significativamente diferentes entre os pontos mais próximos e mais afastados da Lua.
Desta forma as massas oceânicas que estão mais próximas da Lua sofrem uma aceleração de intensidade significativamente superior às massas oceânicas mais afastadas da Lua. É este diferencial que provoca as alterações da altura das massas de água à superfície da Terra.
Quando a maré está em seu ápice chama-se maré alta, maré cheia ou preamar; quando está no seu menor nível chama-se maré baixa ou baixa-mar. Em média, as marés oscilam em um período de 12 horas e 24 minutos. Doze horas devido à rotação da Terra e 24 minutos devido à órbita lunar.
A altura das marés alta e baixa (relativa ao nível do mar médio) também varia. Nas luas nova e cheia, as forças gravitacionais do Sol estão na mesma direcção das da Lua, produzindo marés mais altas, chamadas marés de sizígia. Nas luas minguante e crescente as forças gravitacionais do Sol estão em direcções diferentes das da Lua, anulando parte delas, produzindo marés mais baixas chamadas marés de quadratura.
JORGE BARROS 7B NR 12


As Mares

mares.png
Qual será a origem das mares?
Faz parte da cultura geral a noção de que este fenómeno está relacionado com a influência gravítica da Lua sobre a Terra (e, também, em menor grau do Sol).
Na verdade a Lua atrai todos as corpos em sua direcção, mas como as águas dos oceanos fluem mais livremente, a mudança é mais visível. Quando a Lua e a Terra estão alinhadas, a Lua exerce atração, no ponto mais próximo, sobre a água do mar.
Também a força gravitacional do Sol interfere nas marés, apesar de menos intensamente.
Na lua nova e cheia as marés ficam mais agitadas pois é neste período que os astros Terra, Lua e Sol estão alinhados, ou seja, a força gravitacional devido à Lua e ao Sol somam-se formando a "maré alta", no entanto nas luas minguante e crescente a posição do Sol e Lua formam um ângulo de noventa graus, prevalecendo assim a força devido a Lua, embora a atração do Sol (maré solar) minimize a maré lunar com pouca intensidade e forma se a "maré baixa".

barco_com_agua.jpgbarco_sem_agua.jpg

Trabalho realizado por Filipa Cunha



O que influencia as Marés no nosso Planeta?
As Marés, ou seja, as alterações do nível das águas do mar, resultam da atracção gravitacional exercida pela Lua e pelo Sol sobre a Terra.
Segundo a lei da gravitação universal, proposta por Newton, a atracção gravitacional entre dois corpos é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre as suas massas, ou seja, quanto mais afastados estiverem os objectos, menor será a força de atracção entre eles e essa força diminui rapidamente com o aumento da distância.
Isto faz com que a interferência da Lua nas marés seja muito superior à do Sol, pois embora a sua massa seja muito menor que a do Sol, esse facto é compensado pela menor distância da Lua à Terra.
FQ_Tarefa4_Imag1.jpg

As massas oceânicas que estão mais próximas da Lua sofrem uma aceleração de intensidade significativamente superior às massas oceânicas mais afastadas da Lua. É este diferencial que provoca as alterações da altura das massas de água à superfície da Terra.
Quando a maré atinge o seu máximo chama-se maré alta, maré cheia ou preia-mar.

Quando está no seu nível mínimo chama-se maré baixa ou baixa-mar.
Em média, as marés oscilam em um período de 12 horas e 24 minutos, sendo 12 horas devido à rotação da Terra e 24 minutos devido à órbita da Lua.
A altura das marés alta e baixa, relativamente ao nível médio do mar também varia:
- Durante a Lua Nova e a Lua Cheia, as forças gravitacionais do Sol estão na mesma direcção das da Lua, produzindo as maiores marés altas e as menores marés baixas. Estas marés são designadas por marés de sizígia.
- Quando a Lua se encontra no Quarto Crescente ou no Quarto Minguante, as forças gravitacionais do Sol estão em direcções diferentes das da Lua, anulando parte delas, produzindo marés de pequenas amplitudes a que se dá o nome de marés de quadratura.

Para medir as variações do nível das águas do mar existem os marégrafos, instrumentos que registam o fluxo e o refluxo das marés num determinado ponto da costa. Existem marégrafos espalhados por todo o mundo. Em Portugal existem dois marégrafos, um em Cascais e outro em Lagos, a funcionar há mais de 100 anos.
FQ_Tarefa4_Imag3.jpgFQ_Tarefa4_Imag2.jpg
Trabalho realizado por:
Inês Elisiário, nº6, 7ºB
















Ocorrência das marés

Num campo gravitacional terrestre ideal, ou seja, sem interferências, as águas à superfície da Terra sofreriam uma aceleração idêntica na direção do centro de massa terrestre, encontrando-se assim numa situação isopotencial (situação A na imagem). Mas devido à existência de corpos com campos gravitacionais significativos a interferirem com o da Terra (Lua e Sol), estes provocam acelerações que actuam na massa terrestre com intensidades diferentes. Como os campos gravitacionais actuam com uma intensidade inversamente proporcional ao quadrado da distância, as acelerações sentidas nos diversos pontos da Terra não são as mesmas. Assim (situação B e C na imagem) a aceleração provocada pela Lua têm intensidades significativamente diferentes entre os pontos mais próximos e mais afastados da Lua.

Desta forma as massas oceânicas que estão mais próximas da Lua sofrem uma aceleração de intensidade significativamente superior às massas oceânicas mais afastadas da Lua. É este diferencial que provoca as alterações da altura das massas de água à superfície da Terra.

Quando a maré está em seu ápice chama-se maré alta, maré cheia ou preamar; quando está no seu menor nível chama-se maré baixa ou baixa-mar. Em média, as marés oscilam em um período de 12 horas e 24 minutos. Doze horas devido à rotaçao da Terra e 24 minutos devido à orbita lunar.

A altura das marés alta e baixa (relativa ao nível do mar médio) também varia. Nas luas nova e cheia, as forças gravitacionais do Sol estão na mesma direcção das da Lua, produzindo marés mais altas, chamadas marés de sigizia. Nas luas minguante e crescente as forças gravitacionais do Sol estão em direcções diferentes das da Lua, anulando parte delas, produzindo marés mais baixas chamadas marés de quadratura.


Trabalho realizado por:Ines Fernandes 7ºB Nº5



As marés
As marés consistem na subida e na descida das águas, e isto ocorre quatro vezes, em 24 horas e 50 minutos, ocorre duas marés baixas e duas marés altas por dia. Num período de uma maré alta e de uma maré baixa tem a duração de 12 horas e 25 minutos.
Dá-se o nome preia-mar ou maré alta quando a altura das águas estam no máximo, e baixa-mar ou maré baixa quando a altura das águas estam no mínimo. As marés resultam da atracção gravitacional da Lua e do Sol sobre atTerra. Quanto mais afastados estiverem, menor será a força de atracção entre eles. E essa força diminui rapidamente com o aumento da distância. A gravidade do nosso satélite tem pouco efeito sobre os continentes, mas afecta muito mais os oceanos. Por sua vez, o intervalo de tempo entre uma preia-mar e a baixa-mar é em média, 6 h 13 m. No entanto, o mar não reage instantaneamente à passagem da Lua, havendo, para cada local, um atraso maior ou menor das preia-mares e baixa-mares.
Na Lua Cheia o mar pode subir cerca de 1 metro. E na Lua Nova é a época onde acontecem as maiores marés altas, chamadas de marés máximas ou marés de sizígia. No Quarto Minguante a diferença entre a maré alta e baixa não ultrapassa os 5 centímetros, e no Quarto Crescente o nível entre as marés altas e marés baixas são menores e recebem nome de marés mínimas ou marés de quadratura. O intervalo de tempo entre a passagem meridiana da Lua e a preia-mar tem o nome de Lunitidal Interval.
O Sol, está mais distante da Terra do que a Lua, a Lua também influência no comportamento das marés, embora a atracção Solar corresponda apenas a 46% .
As marés vivas e as marés mortas decorrem com efeito do Sol, cada uma demora 15 dias, ou seja, as duas (a maré viva e a maré morta) demoram aproximadamente um mês.
Quando o Sol e a Lua estão em oposição (Lua Cheia) ou conjunção (Lua Nova), a influência do Sol reforça a da Lua e ocorrem as marés vivas. Por outro lado, quando o Sol e a Lua estão em quadratura (Quarto Crescente e Quarto Minguante), a influência do Sol contraria a da Lua e ocorrem as marés mortas. As amplitudes de marés vivas em Portugal Continental são cerca de 1,5 m. Isto é, o mar sobe e desce 1,5m em relação ao nível médio. Em marés mortas, a amplitude da maré é de 70 cm.
Sabe-se que a maré torna-se praticamente nula nas zonas centrais das grandes bacias ocêanicas.
mare2fases[1].jpg

















Elaborado por: Mariana H. Ribeiro Nº 14 7ºB







AS MARÉS
as marés são mudanças periodicas de curta duração na altura da superficie oceânica em um determinado lugar,causado pela combinação da força gravitacional da lua,do sol e do movimento da terra.

mare
trabalho realizado:
miguel duarte nº16 7ºb



As mares

Os movimentos periódicos de elevação e recuação da superfície dos oceanos, mares e lagos são provocados pela força gravitacional da Lua e do Sol sobre a Terra.

As marés ocorrem a intervalos regulares de 12 horas e 12 minutos - a cada 24 horas e 50 minutos, o mar sobe e desce duas vezes constituindo o fluxo e refluxo das águas.

À medida que terra gira , outras regiões passam a sofrer elevações, como se o nível da água se deslocasse seguindo a Lua.

Durante a conjunção e a oposição da Lua, nas fases de Lua Nova e de, Lua Cheia a maré alta é muito alta e a maré baixa é muito baixa.


As marés de Lua Nova, e de Lua Cheia são mais violentas e por essa razão são chamadas de marés de sizígia ou de águas-vivas; são as grandes marés.

Durante as quadraturas da Lua, nas fases da Lua Crescente e de Lua Minguante, não ocorrem eclipses, a maré alta não é tão alta e a maré baixa também não é tão baixa.

As marés de quadratura são bem moderadas e por essa razão são chamadas de marés de águas mortas ou pequenas marés.


joao santos nº9